Alguns chamam Os Pássaros de “o filme de monstros do Hitchcock”. Óbvio, é um filme de monstros mais único se você observar assim. Mas não deixa de ser verdade.

Junto a Janela IndiscretaOs Pássaros é meu filme favorito de Alfred Hitchcock. É outro de suas obras que definiram o que é o thriller no cinema. E talvez seja o mais bem sucedido de todos ao ser uma vitrine de suas inovações narrativas. Diferente de Um Corpo que Cai, nada parece estar aqui apenas para justificar mais uma surpresa ao espectador. Tudo está ali para satisfazer e enriquecer a narrativa, mais e mais. E, se Hitchcock já a satisfaz só em colocá-la na tela, querendo melhorar algo já excelente ainda mais é simplesmente fantástico.

Após flertar com um homem em uma pet shop, levando um casal de periquitos, Melanie vai com ele para Bodega Bay. Estranhamente, pássaros começam a atacar a cidade, e tais ataques ficam cada vez maiores e mais perigosos. É um mistério o que leva os pássaros a se comportarem de tal forma (e Hitchcock entrega suspeitas a todo o instante, inclusive no último take), mas não é só isso que nos leva adiante em Os Pássaros. A forma como esse mistério se multiplica durante a narrativa, criando mais questões e, mesmo assim, nunca perdendo o fio central, tornam essa uma das mais fascinantes jornadas de personagens. É o modo como Hitchcock, ao flertar com o horror, simplesmente cria uma das melhores realizações do gênero. E uma obra-prima cinematográfica.

É um legado inestimável. Os Pássaros talvez seja o filme que mais seja imitado no cinema de terror. Em cada plano de Hitchcock há o uso do som e da iluminação para criar não o susto, mas o suspense. Um suspense crescente que, inevitavelmente, cresce para o horror.

  • Prós: a inestimável qualidade com que Alfred Hitchcock cuida de suas histórias, seus personagens, e como ele exibe, com precisão, o que é necessário em cada frame do filme — e o que ele omite também.
  • Contras: nenhum.
  • Veredicto: uma obra-prima do horror, Os Pássaros é um dos melhores filmes de Hitchcock, talvez até o melhor. Não pela ausência de um plot twist, o que as pessoas amam, mas por, sem a necessidade de uma virada no final, saber impressionar até no fade out.

Os Pássaros (The Birds, 1963). Estados Unidos. Dirigido por Alfred Hitchcock; escrito por Evan Hunter; fotografado por Robert Burks; editado por George Tomasini; com Tippi Hedren, Suzanne Pleshette, Rod Taylor, Jessica Tandy, Veronica Cartwright, Ethel Griffies, Charles McGraw, Doreen Lang, Ruth McDevitt, Joe Mantell, Malcolm Atterbury, Karl Swenson, Elizabeth Wilson, Lonny Chapman, Doodles Weaver, John McGovern, Richard Deacon, Bill Quinn.

Publicado por Arthur

Eu faço sites e vejo filmes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.