Eu demorei pra assistir O Poderoso Chefão esse ano porque eu não posso simplesmente assistir alguns filmes. Eu preciso gerar uma certa expectativa pelo dia que eu vou vê-los. Mesmo não sendo um fã número um desse filme (eu acho a segunda parte infinitamente superior), não posso negar. Se o cinema não existisse, ele teria que ser criado simplesmente porque a humanidade precisaria assistir O Poderoso Chefão.

É esse nível de bom: é o cinema em sua melhor forma operística, um conto exuberante sobre família, traições e crimes. É uma obra imortal pela sua abrangência temática. Ele lapida seus temas tão bem, torna aquilo uma discussão tão básica e tão profunda sobre o que deseja discutir. Não é o primeiro filme a ser visto por alguém que quer dar uma viagem pela história do cinema, porque há filmes um tanto mais fundamentais. Mas ele é talvez a mais obrigatória das paradas. São poucos os outros filmes após ele que conseguem tratar tão bem de suas discussões e de possuir uma história tão bem concatenada. Quanto mais tempo passa na projeção, melhor o filme fica, e quando ele acaba, parece que uma parte de você foi arrancada para sempre, e você só pode revê-la ao reassistir a trajetória dos Corleone.

É grandioso, é poderoso. O Poderoso Chefão é assustadoramente perfeito, sejam as atuações (Michael Brando e Al Pacino nunca teriam performances superiores), seja na história — que é, talvez, uma das melhores e mais bem contadas de toda a história do cinema —, e seja na técnica, em que Francis Ford Coppola emprega todo o conhecimento que ele tinha sobre cinema e mais um pouco. Ele é daqueles filmes que inovam ao utilizar o já conhecido com uma perícia que nunca havíamos visto antes.

E talvez seja isso que defina melhor O Poderoso Chefão: antes dele, o cinema nunca tinha sido bom assim.

  • Prós: a fusão perfeita entre o cinema que conta histórias e o cinema que propõe um tema para rondar sua cabeça. O Poderoso Chefão é uma maravilha técnica e narrativa. Não há o que ser melhorado nele.
  • Contras: nenhum.
  • Veredicto: perfeito, O Poderoso Chefão é o marco de qualidade do cinema americano em sua era. Antes dele, era possivelmente Cidadão Kane. Depois dele, só teríamos um feito dessa magnitude em 2010, com A Rede Social. Ele é o rei em uma terra de reis. Um magnífico filme.

O Poderoso Chefão (The Godfather, 1972). Escrito e dirigido por Francis Ford Coppola, baseado no romance de Mario Puzo; fotografado por Gordon Willis; editado por William Reynolds, Peter Zinner; trilha-sonora composta por Nino Rota; com Marlon Brando, Al Pacino, James Caan, Richard S. Castellano, Robert Duvall, Sterling Hayden, John Marley, Richard Conte, Al Lettieri, Diane Keaton, Abe Vigoda, Talia Shire, Gianni Russo, John Cazale, Rudy Bond.

Publicado por Arthur

Eu faço sites e vejo filmes.

Se junte à conversa

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.