Há uma cena chave em Maria Antonieta em que a personagem título corre em um dos lindos e imensos corredores do Palácio de Versalhes e, como trilha-sonora, ouvimos o trecho “I wanna be forgotten / and I don’t wanna be reminded” da música “What Ever Happened” da banda de grunge rock The Strokes. É esse trecho em específico que resume não só o terceiro filme de Sofia Coppola, como seu filme anterior e posterior a este.

Aqui em Maria Antonieta, a filha do mestre Francis Ford Coppola cria uma rainha francesa diferente das que a História gosta de retratar. Maria Antonieta é vítima de seu tempo, como os atores interpretados por Bill Murray e Stephen Dorff em Encontros & DesencontrosUm Lugar Qualquer. Ela é fruto de uma sociedade problemática desde seu princípio e, como reação, segue o que lhe é ensinado. Não que Coppola tire qualquer culpa das costas da rainha, mas há realmente uma culpa?

Longe de querer questionar isso, Sofia Coppola retrata Maria Antonieta como uma celebridade pop no século XVIII. Amada, odiada, ultravisível, com um poder descomunal e sem nenhuma noção do que fazer com ele, mas realmente nenhuma importância na vida dela nem na de ninguém. Em Maria Antonieta, diferente do final de Encontros & DesencontrosUm Lugar Qualquer, nossa personagem não tem privacidade. Não há escapatória. Ela só encontra a paz, o esquecimento, quando olha com tristeza para sua passagem de limoeiros. Mas nem mesmo ali alguém deixa-a olha-los.

  • Prós: em seu filme mais caro e bem produzido, Sofia Coppola ainda trata com simplicidade de seu tema favorito — e deixa o filme mais delicioso de ser assistido.
  • Contras: aqui, em seu primeiro personagem horizontal, parece que Sofia parece necessitar repetir seu argumento a cada troca elíptica: a trilha-sonora cheia de pop, o All-Star, o vestido Prada, a frase do brioche…
  • Veredicto: não é, nem de longe, um filme como Encontros & DesencontrosUm Lugar Qualquer, mas Maria Antonieta continua sendo um filme sensível e pontiagudo como toda a cinematografia de Sofia Coppola, e a coloca como uma diretora realmente no domínio do que faz.

Maria Antonieta (Marie Anoinette, 2006). Estados Unidos. Escrito e dirigido por Sofia Coppola; fotografado por Lance Accord; editado por Sarah Flack; com Kirsten Dunst, Jason Schwartzman, Judy Davis, Rip Torn, Rose Byrne, Asia Argento, Marianne Faithfull, Molly Shannon.

Publicado por Arthur

Eu faço sites e vejo filmes.

Se junte à conversa

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.