Acho que esse aqui é meu guilty pleasure. Piratas do Caribe: O Baú da Morte é cheio de inconsistências, mudanças de foco, etc. Mas eu não consigo não gostar de uma parte sequer do filme. Sabe por quê? Ele não tem medo de provar o que é.

E ele não passa de um filme totalmente voltado a seu público. O Baú da Morte tem de tudo: rituais de sacrifício por uma tribo canibal, viagens piratas por baixo d’água, casamentos, batalhas (em toda e qualquer superfície possível e impossível) e reviravoltas a cada cinco minutos. Eu poderia odiá-lo, mas é tudo feito com tanta despretensão (realmente, não há pretensão alguma aqui), quase como uma brincadeira, que eu o assisto com o mesmo olhar.

Piratas do Caribe: O Baú da Morte não corrige os erros do primeiro. A trama está ainda mais caótica, mais reviravoltas acontecem, Jack Sparrow agora é o personagem principal, e o filme todo segue o ritmo inconstante desse personagem. É ruim? Ele tem vários motivos pra ser. Mas é tão divertido, e a produção é tão caprichada (foi a primeira vez no cinema que eu me impressionei muito com os efeitos visuais), que faz Piratas do Caribe: O Baú da Morte o melhor filme ruim que eu já vi. E eu já vi montes desses.

  • Prós: é estupidamente divertido, bem produzido e muito, muito desengonçado — aqui, isso é um elogio.
  • Contras: ele piora os problemas do filme anterior. É ruim? Pode ser, mas eu não acho.
  • Veredicto: qualquer um pode dizer que Piratas do Caribe: O Baú da Morte é um dos piores filmes por aí. Mas não tem como eu não me divertir com esse verdadeiro mocotó de cinema: tem de tudo, tudo mesmo, misturado e grudado. São muitos problemas, qeu no meio da bagunça que é o filme, se tornam em qualidades.

Piratas do Caribe: O Baú da Morte (Pirates of the Caribbean: Dead Man’s Chest, 2006). Estados Unidos. Dirigido por Gore Verbinski; escrito por Terry Rossio, Jay Wolpert, Stuart Beattie, Ted Elliott; fotografado por Dariusz Wolski; editado por Stephen E. Rivkin, Craig Wood; trilha-sonora composta por Hans Zimmer; com Johnny Depp, Orlando Bloom, Keira Knightley, Bill Nighy, Stellan Skarsgård.

Publicado por Arthur

Eu faço sites e vejo filmes.

Se junte à conversa

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.