Eu tenho vários problemas com Valente. Para a Pixar, é um filme mal escrito, que a história pouco agrada e com pouco carisma. Mesmo assim, ele está um patamar acima de qualquer filme de animação ocidental feito no ano passado.

É visível que os confrontos artísticos reportados dentro da Pixar durante o desenvolvimento desse filme influenciaram, e muito, o produto final. A história de Valente começa empolgante, se torna um Irmão Urso e, no final, perde totalmente o foco. Diferentemente dos outros filmes do estúdio, em que havia um objetivo central e, na jornada até ele, vários outros problemas eram apresentados para se solucionarem, em Valente essa estrutura não é aplicada, ou ao menos eu não consegui perceber. Merida, no início, quer libertar seu espirito como uma guerreira, uma aventureira; precisa, então, enfrentar a visão da mãe para seu futuro, uma princesa; mas a mãe sofre uma maldição, então ela precisa agora resgatar a mãe; e ela descobre que a maldição da mãe tem um passado muito mais obscuro.

Pronto, perdemos o objetivo real de Merida lá pelos 40min de filme. E o que nos é apresentado, embora seja engraçado e, como é padrão na Pixar, muito bem feito, filmado e dublado, não nos interessa. Merida é uma personagem apaixonante, mas o que ela passa no filme não nos faz ficar mais próximos dela do que o próprio carisma. A Pixar não desaprendeu a criar personagens inesquecíveis, mas é o segundo filme dela que a história não tem qualquer propósito.

Vindo do estúdio que lançou os clássicos anuais de Toy StoryToy Story 2Monstros S.A.Procurando NemoOs IncríveisRatatouilleWALL-E, UpToy Story 3, temos um sério problema aí.

  • Prós: a beleza dos personagens e do cenário, a excelente dublagem da Disney; Merida é apaixonante;
  • Contras: a história não funciona.
  • Veredicto: esteticamente impecável, Valente traz mais um grande personagem pro patamar da Pixar — a história que o acompanha, porém, precisa ser esquecida.

Valente (Brave, 2012). Estados Unidos. Dirigido por Mark Andrews, Brenda Champman; escrito por Brenda Champman, Irene Mecchi; trilha-sonora composta por Patrick Doyle; com as vozes de Kelly Macdonald, Billy Connolly, Emma Thompson, Kevin McKidd, Craig Ferguson.

Publicado por Arthur

Eu faço sites e vejo filmes.

Se junte à conversa

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.