Alfred Hitchcock disse uma vez que o som foi a pior adição ao cinema. Ele dizia isso pois acreditava que diretores removiam significados de suas imagens porque viam a necessidade de explicá-las através dos diálogos de seus personagens — tornando o filme redundante. Ele está certo em partes.

Em O Silêncio dos Inocentes, porém, vemos que essa teoria não se aplica a todos os casos. Quando Hannibal faz Clarice Starling descrever a sua fuga de uma fazenda, podemos ver o que a força de um diálogo, focando apenas o rosto de um personagem e a transformação de suas feições faciais para o completo desespero para que possamos imaginar, em nossa cabeça, a jovem Clarice correndo com um cordeiro nos braços.

É esse o suspense de O Silêncio dos Inocentes: do que só pode ser imaginado, pois o diretor não transcreve em imagens cenas que não são necessárias. Ao mesmo tempo, aquilo que é mostrado é essencial: em um movimento de câmera preciso, sabemos que Clarice encontrou o culpado; em uma troca de plano, descobrimos os planos de Hannibal. Do início ao fim, O Silêncio dos Inocentes é calculadamente pensado e elaborado, todo em função de sua narrativa para poder, por baixo dela, discutir a sórdida natureza humana em seu mais profundo temor.

Temor esse que, no sorriso de Clarice ao ouvir a voz de Hannibal Lecter ao final, dá arrepios.

  • Prós: O Silêncio dos Inocentes é suspense e thriller em sua mais perfeita forma: denso, desconfortável e extremamente funcional; com as atuações brilhantes e eternas de Anthony Hopkins e Jodie Foster.
  • Contras: nenhum.
  • Veredicto: impecável do início ao fim, O Silêncio dos Inocentes é o cinema de suspense em sua melhor forma. Jonathan Demme colocou, de uma só vez, três nomes na história do cinema. E um deles em nossa mente.

O Silêncio dos Inocentes (The Silence of the Lambs, 1991). Estados Unidos. Dirigido por Jonathan Demme; escrito por Ted Tally, baseado no romance de Thomas Harris; fotografado por Tak Fujimoto; editado por Craig McKay; trilha-sonora composta por Howard Shore, Q Lazzarus; com Jodie Foster, Anthony Hopkins, Scott Glenn, Ted Levine.

Publicado por Arthur

Eu faço sites e vejo filmes.

Se junte à conversa

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.