Durval Discos não é ruim, mas não é excelente. É um ótimo filme-referência, que brinca com a cultura da música popular do Brasil ao mesmo tempo que discute a mudança midiática do éle pê pro CD. Não me empolgou a ouvir tudo o que é referenciado no filme, mas me divertiu.

Mas, também, não é nada inesquecível. A MPB precisa de um tributo melhor.

  • Prós: referências à música brasileira dos pés a cabeça; Marisa Orth, como sempre, ótima.
  • Contras: nada que realmente marque, é um filme divertido com um tema que merece bem mais.
  • Veretido: engraçado, mas até um certo ponto bem irrelevante, Durval Discos tem momentos muito bons, atores muito bons, mas nada demais pra contar.

Durval Discos (2002). Brasil. Dirigido e escrito por Anna Muylaert; fotografado por Jacob Solitrenick; editado por Vânia Debs; trilha-sonora por André Abujamra; som mixado por Miriam Biderman; com Ary França, Letícia Sabatella, Marisa Orth, Rita Lee.

Publicado por Arthur

Eu faço sites e vejo filmes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.